sábado, 24 de maio de 2008

FELIZ ANIVERSÁRIO PATRICIA e IARA


Patricia e Iara

Feliz Aniversário!
"Que posso desejar para vocês hoje?
Que as verdadeiras amizades continuem.
Que as lágrimas sejam poucas, e compartilhadas.
Que as alegrias estejam sempre presentes e sejam festejadas por todos.
Que o carinho esteja presente em um simples olá,
ou em qualquer outra frase mesmo que digitada rapidamente.
Que os corações estejam sempre abertos para novas amizades,
novos amores, novas conquistas.
Que Deus esteja sempre com sua mão estendida
apontando o caminho correto.
Que as coisas pequenas como a inveja ou desamor,
sejam retiradas de nossa vida.
Que aquele que necessite de ajuda encontre sempre em nós uma animadora palavra amiga.
Que a verdade sempre esteja acima de tudo.
Que o perdão e a compreensão superem
as amarguras e as desavenças.
Que este nosso pequeno mundo virtual seja cada vez mais humano.
Que tudo que sonhamos se transforme em realidade.
Que o amor pelo próximo seja nossa meta absoluta.
Que nossa jornada de hoje esteja repleta de flores.
Que a Felicidade momentânea da Vingança,
ceda espaço para a Felicidade eterna do Perdão.
Neste dia mais que nunca, desejo para vocês tudo o que há de melhor no Universo,
e que seus sonhos sejam todos realizados.
Parabéns"!!!
Feliz Aniversário!!!
Graciela

quarta-feira, 21 de maio de 2008

Para aqueles que passaram por minha vida!!!


Lembre-se de que os amigos deve-se fazer como os bancos:
recadastrar periodicamente:
as pessoas mudam, e às vezes para pior.
Danuza Leão (1933-)
Jornalista e Escritora Capixaba
(Na Sala com Danuza).
P.S.: Após todo o transtorno ...no meu trabalho...e o cuidado... com a ética..vesti a camiseta...defendi cada um...porém, hoje concordo com Danuza Leão....Tive que recadrastrar aqueles "amigos".
Bjocas
Graciela

Vou descansar e cuidar da saúde mental....



O primeiro dos bens, depois da saúde,
é a paz interior.
(François La Rochefoucauld)

TEREZINHA IRINEU para Graciela


MAXUEL SCORPIANO para Graciela

...Somente Um Porém, Que Sua Vida Corrida
Talvez Não Lhe Deu Tempo de Perceber,
Todo Jardim Bem Cuidado Floresce em Esplendor,
Você Gr@ciel@ Não é Só a Flor,
Mas Sim o Belo Presente,
Que Nos Vem No Seu Carinho,
Com Sua Presença
Sinônimo de Amor.
_MAXUEL SCORPIANO_
20.05.08/ás 21:52H

ORAI SEMPRE



ORAI SEMPRE

Filhos, não vos esqueçais de orar sempre.
A oração possibilita ao homem abrandar os próprios sentimentos.
Quem se habitua a orar não se entrega ao desespero e à revolta.
A prece jamais é um monólogo... Pelo recolhimento íntimo na oração, a criatura conversa com o Criador, que não a deixa sem resposta.
Ato de fé solitário, a prece exterioriza a sinceridade do filho que, reconhecendo a própria insignificância, recorre aos préstimos do Pai, que tudo pode.
Jesus orava com freqüência.
Sem este contato pessoal com Deus, a crença do homem não passa de uma aparente manifestação de religiosidade.
Os que oram nunca se fragilizam diante das lutas que faceiam.
Orai no silêncio de vossas reflexões; orai com a vossa mente e com o vosso coração.
Buscai forças no Alto para os embates inevitáveis do caminho, repleto de urzes e de pedras.
Orai com as vossas mãos mergulhadas na caridade; que as vossas petições sejam referendadas pelas vossas atitudes no bem dos semelhantes...
A persistência da fé remove obstáculos intransponíveis.
A oração modifica o tônus espiritual de quem, por vezes, não enxerga saída para os impasses da existência.
Quem não ora será sempre uma presa fácil da obsessão e do desequilíbrio oriundo de si mesmo.
Filhos, abençoai as vossas provas! Afagai o madeiro que vos pesa nos ombros e, sob o sol causticante de vossas dificuldades, não vos afasteis do oásis aconchegante da oração.
A prece é o ato de humildade que mais engrandece o espírito!
Sede homens de fé e de oração.
Quanto maior o desafio lançado à vossa crença, mais devereis vos curvar à necessidade de orar.
"Pedi e obtereis" - exortou-nos o Senhor, em suas palavras jamais pronunciadas em vão.


A CORAGEM DA FÉ BEZERRA DE MENEZES / CARLOS A. BACELLI

Paz e Luz
Graciela

Tadany


Floruit

Amigos são as estrelas brilhando no céu,
E as estrelas são a eternidade dos peregrinos
Os peregrinos são anjos espalhando harmonia
E a harmonia é o sorriso no rosto dos meninos

Meninos são sementes que germinam felicidade
E a felicidade é o cometa que espalha conhecimento
O conhecimento é a aurora da tolerância
E a tolerância é a melodia do entendimento

O entendimento é o segredo da terra
E a terra é o coração das Mães
As Mães são a personificação dos sonhos
E os sonhos são o centeio de nossos pães

Os pães são as vozes do Universo
E o universo é a mão do desconhecido
O desconhecido é a pomba passando
E a pomba é um futuro prometido

O futuro é a esperança sonhada
E a esperança é a música com calma
A Calma é Deus caminhando
E Deus é o oráculo da alma

A alma é o rincão da excelência
E a excelência é a flor germinando
A flor é o maestro compondo
E o maestro é o mendigo assobiando

O mendigo é o arquiteto da cooperação
E a cooperação é o cosmos da unidade
O cosmos é o pandeiro gingando
E o pandeiro é a canção da amizade

A amizade é a porta sempre aberta
E a porta é o trevo da imaginação
A imaginação é o buraco negro do infinito
E o infinito é o amor no nosso coração.

O amor é a essência da rosa
E a rosa é o delírio do amanhecer
O amanhecer é a cortina do dia
E o dia é a bossa nova do viver


O viver é a barca partindo
E a barca é o relógio rodando
O relógio é o piano tocando
E o piano é o homem amando.

O homem é o berço da humanidade
E a humanidade somos nós nascendo
O nós é a continuação da vida
E a vida somos nós vivendo.

(Tadany – 20 02 04)

terça-feira, 20 de maio de 2008

Chuva Miudinha


CHUVA MIUDINHA
eu sei lá
esta chuva miudinha
não me deixa concentrar
nas coisas importantes
eu sei lá
se continuo a pensar em ti
tu não passas nesta rua
há tanto tempo
fizeste um desvio na tua vida
eu sei lá
porque penso em tipo
de ser nostalgia
não ter que fazer
e ver a chuva a cair
lembra-me o choro dos deuses
eu sei lá
porque estou colado à vidraça
gosto de ver a chuva cair
porque imagino
que ela me lava a alma
(Atit Ordep)

ROSANE SILVEIRA


O TEU AMOR (Poema em ode a um amor)
O teu amor me move, me comove
e me leva a escrever-te
deixando aqui em linhas que parecem sóbrias
e até despretenciosas o meu amor
o amor tão intenso que sinto quando falas
de ti
de tuas dores
do teu lamento triste antes de me conhecer
O teu amor me comove e me move
a subir montes onde os sonhos são reais
a escalar cumes altos onde encontro a nossa realidade
quase irreal
O teu amor me comove e move
move minha alma de encontro a tua
meu coração que vai de encontro ao teu
e o meu amor que quando junto a ti
se faz uno.
O teu amor me comove e move-me
ao encontro teu.
(Rosane Silveira às 12:59 do dia 20/05)

Fernanda Young


A sombra de vossas asas

"Assim, qualquer pessoa, no momento apropriado, poderá enlouquecer. Não há ninguém que escape desse perigo. É sobre isto esta história: sobre a loucura que iguala os homens. Os homens são desiguais. Sim. Eles são desiguais. As cores os torna diferentes. As raças. As religiões. O Ocidente e o Oriente. As línguas. Os sexos. Só a loucura os iguala. A loucura e o amor. O que dá no mesmo."
Fernanda Young

MAXUEL SCORPIANO

...Só Não Te Esqueça Que Indepedente
de Raças ou Crenças,
Todos Somos Templos
da Perfeição Mãe Natureza,
Carregamos Todos os Mistérios,
Que Compõe o Universo e
Somos as Emoções Diversas,
Templo Sagrado.
_MAXUEL SCORPIANO_

Glórinha Anchieta


Asa caída
Eu nasci anjo na terra
Pureza dentro do peito
Alma pura e cristalina
Repleta de planos lindos
Para seguir o caminho
Fui perdendo as minhas asas
Com as provações da vida
Tantas vezes reprovada
Em cada asa caída
Em mim nascia uma ferida
Da criança que eu fui
Até agora o que sou
Quanto mais piso na terra
No meu peito abre a cratera
De dores e desenganos
Mas às vezes eu acordo
Totalmente iluminada
Peito cheio de esperança
Que nem quando eu era criança
_ Glórinha Anchieta_
Poesia de outono

Jane Rossi


Felicidade

Chuva de estrelas caindo
Fogos de artifícios no ar
Benção que vem fluindo
Colorindo o caminhar
Alegria renovada
Explodindo o coração
Arco íris na estrada
Pura realização
É sonho concretizado
É a promessa cumprida
Deus mandando seu legado
Nesta vida tão sofrida
É outra pagina agora
Uma mudança total
Tristeza ta indo embora
Milagre celestial
(Jane Rossi)

VERA LUCIA COLARES



Seu lugar é realmente nas nuvens, junto aos seus sonhos, para que todos eles se tornem realidade. Você, como amiga, é o próprio sonho personalizado, pois LÊ OS RECADOS e os responde, quando muitos amigos só enviam, sem ler o que lhes escrevemos. Eu tenho uma admiração muito grande pela pessoa que você é e, como amiga, você é inigualável. Beijos carinhosos e que Deus a conserve nas nuvens, mas que Ele não esqueça de lhe cobrir de bençãos, hoje e sempre.
Vera

VERA LUCIA COLARES


Amei o poema de Valquíria Cordeiro sobre você. Só não sabia que entendia de leis, como ela mesma diz, mas com o restante eu concordo plenamente e lhe digo que também está no meu coração. Parabéns pela homenagem bonita que lhe foi feita.Beijos carinhosos e beije Valquíria Cordeiro também por mim. Que Deus lhe dê muitas bençãos.
Vera

VALQUÍRIA CORDEIRO Para Graciela (Euzinha)


Graciela.
Lá vem ela!
Amiga presente, sincera.
Seu nome?
Graciela.
Lá vem ela!
Cheia de encantos,
Cheia de sonhos,
Guerreira e sempre bela.
Quem é ela?
Graciela.
Lá vem ela!
Entende das leis,
Sempre tão dedicada...
Cadê ela?
Esta aqui no meu coração,
Bem guardada.
((Valquíria Cordeiro))
20/05/2008

JANE ROSSI Para Graciela (Euzinha)


Graciela
Recado sempre recebo, da amiga Graciela
Cartões maravilhosos dessa amiga, sempre bela
O teu nome me faz lembrar uma linda cinderela
E seus recados encantam, abrilhantam minha tela
Meus poemas se iluminam, com o toque da Graciela
(Jane Rossi)

VALQUÍRIA CORDEIRO


“Amor maduro...”
Foi em um desses momentos,
De vasta e notória solidão,
Que deixei voar meu pensamento,
E abri as portas do meu coração...
A solidão fazia dilacerar o meu peito,
Foi então que decidi parar de sofrer,
Fui abrindo meu coração com jeito,
Pra começar novamente a viver...
Dentro de mim existia muito amor,
Eu precisava acabar com aquela dor,
E começar urgente ser feliz...
Foi exatamente isso que eu fiz!
Reencontrei o amor maduro,
No mesmo amor de antes,
Entreguei-me de corpo e alma,
E estou vivendo dias felizes...
_Dias de calma.
((Valquíria Cordeiro))

José Anastácio da Cunha


... Ó meu, ó meu amor, aonde fugiste,
onde estou eu agora e onde estava?...
Não, não sonhei; que estes teus braços vejo
inda na ação de te abraçar pasmados!
Não sonhei, não...
(José Anastácio da Cunha)

O sonho


O sonho
Quem contar um sonho que sonhou
não conta tudo o que encontrou
Contar um sonho é proibido
Eu sonhei um sonho com amor e uma janela e uma flor
uma fonte de água e o meu amigo
E não havia mais nada...
só nós, a luz, e mais nada...
Ali morou o amor,
Amor que trago em segredo num sonho que não vou contar
e cada dia é mais sentido
Amor, eu tenho amor bem escondido
num sonho que não sei contar e guardarei sempre comigo
(Pedro Ayres Magalhães)

VALQUÍRIA CORDEIRO


Re-encontro
Você é um amor pra recordar,
Pra re-encontrar...
Em qualquer tempo,
Em qualquer lugar...
Um amor que meu amor não esquece,
Um amor que minha alma chama...
Coisa que só entende quem ama.
Passe o tempo que passar,
Nada poderá mudar,
Nossas risadas, nosso jeito de se olhar.
Cem anos, cem vidas...
Está escrito!
Seu cheiro esta comigo,
Minha carência esta contigo.
Esperarei o tempo que for preciso.
((Valquíria Cordeiro))

Santo Agostinho


"A medida do amor é amar sem medida."
(Santo Agostinho)

CAFÉ DA MANHÃ


CAFÉ DA MANHÃ
Pôs café
na xícara
Pôs leite
na xícara com café
Pôs açúcar
no café com leite
Com a colherzinha
mexeu
Bebeu o café com leite
E pôs a xícara no pires
Sem me falar
acendeu
um cigarro
Fez círculos
com a fumaça
Pôs as cinzas
no cinzeiro
Sem me falar
Sem me olhar
Levantou-se
Pôs
o chapéu na cabeça
Vestiu
a capa de chuva
porque chovia
E saiu
debaixo de chuva
Sem uma palavra
Sem me olhar
Quanto a mim pus
a cabeça entre as mãos
E chorei.
(Jacques Prévert)
Tradução: Silviano Santiago

VALQUÍRIA CORDEIRO


Perdida ...
Foi tentando me afastar,
Foi negando o meu amor,
Que eu passei a te amar,
A te amar com mais ardor...
Foi tentando fugir,
Foi me escondendo,
Dos olhos teus...
Que eu passei a sorrir,
Sonhando acordada,
Com seus lábios nos meus.
Foi tentando te esquecer,
Foi sofrendo sem razão,
Que descobri em você,
A mais louca paixão...
Foi tentando entender,
Foi fugindo sem saber,
Que percebi que só me acharia,
Se me perdesse por você...
((Valquíria Cordeiro))

Caio Fernando Abreu



(...)
Meu coração é um poço de mel, no centro de um jardim encantado, alimentando beija-flores que, depois de prová-lo, transformam-se magicamente em cavalos brancos alados que voam para longe, em direção à estrela Veja. Levam junto quem me ama, me levam junto também.
-Caio Fernando Abreu-

POETA MINEIRO


Solidão
As ondas que beijam a areia que piso,
Ouço a voz do vento num lamento triste,
E o chorar das aves é como aviso,
Recordo o momento quando tu partiste.

Os raios do sol o meu corpo envolvem,
Com carinho e ternura sinto-me confortado,
São como seus braços que outrora,
Envolto ao meu corpo – me sentido amado.

Chega a tarde o sol se dispersa,
Uma brisa suave e com ela o luar,
No meu idílio, já não tenho pressa,
Conforto-me com a chuva de prata que cai sem parar.

Estrela solitária que no céu desponta,
Com seu brilho ofuscado da solidão,
Meu peito arrebenta num longo pranto,
Da dor e angustia da separação.
(Poeta Mineiro)

Cora Coralina


O que vale na vida não é o
ponto de partida e sim a caminhada.
Caminhando e semeando,
no fim terás o que colher.
(Cora Coralina)

Marina Nunes


LUA
Lua que
Fascina,
Tua beleza mim. ilumina
Sua luz de diamante,
Os amores pratear,
Lua minha linda encantada
Vem mostrar como é amada
Serenatas á se beijar,
Lua amiga mim ensina,
Um amor eu conquistar,
Lua eu estou,
Apaixonada,
Por favor, dá uma olhada,
Como é triste o meu olhar,
Lua linda e companheira,
Estou pedindo,
A sua ajuda,
Majestosa e brilhante...
Desejada,
Suplicante,
O amor faz suspirar
(Marina Nunes)

Tagore


Que eu nunca mendigue paz para minha dor,
mas força para dominá-la
(Tagore)

CARLO MAGNO


Redenção
Não pretendo definir o amor
Mas identificar o transe amoroso
Nem nesse momento maior
Deixo ver esse sentimento caloroso
Nessa fase de divagação
Limito a escrever um instante
Exploro nessa comunicação
Aquele sentimento, realizante
Tento descobrir uma definição
Já me consumi, não percebi
Vem de dentro do coração
Nessa vigília, que só...eu vi
Montado em pura sabedoria
Para espreitar uma solução
Fui envolvido nessa caloria
Arrastado, pela dor do coração
O meu querer não resistiu
Vai-se o verbo da luz
O que me iluminou, assistiu
O fraco poeta, de amor, assumiu
(Carlo Magno)

VALQUÍRIA CORDEIRO


Sem motivos....
Sem nenhum motivo concreto, brigamos.
Com palavras duras, e incertas, nos machucamos,
falamos dos erros um do outro, sem perceber...
Que tudo isso só nos faz sofrer...
Você me diz coisas que machuca,
e eu, perco o controle e fico maluca,
acabo devolvendo suas agressões.
Mesmo apunhalando nossos corações,
continuamos, os dois, sem perceber,
que tudo isso só nos faz sofrer...
Estamos calados evitamos nos falar,
as vezes me deparo sozinha a chorar,
corpos que não se tocam,
lábios que não se unem....
a dor vem e se instala no peito,
e já estamos sem jeito, por que começamos,
a perceber que, tudo isso só nos faz sofrer....
Mais uma noite chega...
de um pesadelo, eu acordo nos seus braços,
e irritada tento não ceder...
Então você me abraça apertado e diz que;
Sem mim não sabe mais viver....
((Valquíria Cordeiro))

António Jacinto


Eu queria escrever-te uma carta
Amor,
Uma carta que dissesse
Deste anseio
De te ver
Deste receio
De te perder
Deste mais que bem-querer que sinto
Deste mal indefinido que me persegue
Desta saudade a que vivo todo entregue...
António Jacinto

MARTA PERES


A Casa – 10
Descansei por algum tempo, parada
sem tirar os olhos da casa, observei que era
rodeada por uma mureta de pedra escura,
uma espécie de balaústre separava a casa do jardim.
O mato crescido mostrava que era desabitada,
arrepios tomou conta do meu corpo, assim como agora,
relembrando algo que nem sabia havia perdidono tempo,
e era meu, parte de minha vida.
Do lado avistei um lago artificial, água que corria
da bica, nascia sobre as pedras e era limpa, clara,
fiz das mãos um copo, molhei o rosto e pescoço,
senti já ter feito isto várias vezes.
Nos fundo um velho pomar, árvores de frutos,
todas velhas, gastas pelo tempo, secas,
pequenas construções mais abaixo, parecendo
alojamentos ou casas de colonos.
Uma angústia cruel tomou conta de mim,
senti vontade de chorar, chorei soluçando alto,
lavei mágoas e tristezas, dores e sofrimentos.
(Marta Peres)

MARTA PERES


A Casa – 9
Enquanto subia a colina contemplava com interesse
tudo que meus olhos podiam abarcar, já estivera ali
pensava, o velho moinho de vento apareceu bem á
minha frente, pensmentos estranhos tomavam forma.

Ouvi dizer que iriam transformar o velho moinho
de vento em moderna habitação, devo ter ouvido
no hotel onde me hospedava.

Na praia crianças brincavam, jovens jogavam vôlei
na areia, o mar arremessava sua espuma contra o vento,
mais parecia que tudo aquilo era seu, pertencia à sua própria vida,
o céu na medida que eu subia encontrava a terra.

Já estava quase ao final da esplanada, um arrepio
subiu pela espinha, sentimento de medo quando olhei
os rochedos, o mar lá em baixo do precipício, minhas mãos
suavam mais que o normal, me vi despencando das pedras.

Precisei apoiar no tronco de uma árvore pequena, quase
caí pela tontura sentida, após um declive rochoso
vi a casa de pedras cinzentas, antiga,
gasta pelo tempoporém suntuosa.
(Marta Peres)

MARTA PERES


A Casa – 8
Estes nomes começaram martelar minha cabeça,
minha alma era empurrada para cima, alguém
queria levar-me para algum ponto mais alto,
meus braços caíram ao longo do corpo, parei.

Meus olhos caíram sobre a imensidão, em ponto
mais abaixo divisei uma igrejinha, ao lado árvores
floridas e um pequeno cemitério nos fundos.
Local agradável, senti paz invadindo meu ser.

De repente meus olhos pararam o passeio, uma
grande casa que mais parecia castelo medieval
surgiu na minha frente, um forte impulso me levou
a subir pela colina, como se o caminho me fosse familiar.

Do ponto onde estava divisei as franjas de areia, recife
se poucas habitações mais abaixo, um lindo jardinzinho
onde havia um canhão, talvez lembrança de guerra,
parecia um monstro ancorado naquele ponto.

Flores enfeitavam os canteiros, que já deveriam terem
sido bem cuidados, hoje bailavam ao vento, exibindo-se
para a natureza que sorria.
(Marta Peres)

MARTA PERES


A Casa – 7

Impelida por força superior à minha aproximei-me
do tronco da árvore, pisei folhas secas caídas
observando o calçamento feito de pedras,
cuidadosamente colocado e desenhado.
Subi sobre raízes que fugiam da terra em busca de luz,
levantei os braços abraçando aquela árvore, meu coração
acelerou quando sentiu o movimento repetitivo,
tive a certeza de já haver feito do mesmo modo.
Quando, jamais abracei uma árvore, estava louca
nestes pensamentos, minha cabeça encostou-se
no tronco como se pedisse um afago, um carinho,
meus olhos derramaram lágrimas de saudades.
Minhas mãos tatearam a árvore procurando algo,
não sei o que elas procuravam, apenas encontraram
um coração nela gravado, dentro dele os nomes, Inês
e Gustavo, por toda eternidade!
Com o coração sangrando, chorando lágrimas sentidas
de dor profunda, chorei naquele lugar.
(Marta Peres)

Mario Quintana


CANÇÃO DO AMOR IMPREVISTO
Eu sou um homem fechado.
O mundo me tornou egoísta e mau.
E a minha poesia é um vício triste,
Desesperado e solitário
Que eu faço tudo por abafar.
Mas tu apareceste com a tua boca fresca de madrugada,
Com o teu passo leve,
Com esses teus cabelos...
E o homem taciturno ficou imóvel, sem compreender
nada, numa alegria atônita...
A súbita, a dolorosa alegria de um espantalho inútil
Aonde viessem pousar os passarinhos.
(Mario Quintana)

Marta Peres


A Casa – 6
Sai apressada do hotel onde estávamos hospedados
meus amigos e eu, algo me impeliu para fora,
não consegui avisar Thelma companheira de quarto,
cega mas com passos marcados no rumo certo, caminhei.

Algo fazia com que fosse para os lados da colina,
ímpeto, talvez, entrei no carro como automata
quando dei por mim já havia chegado do lado contrário,
que me sugeria qualquer coisa familiar.

Quando o carro parou senti-me acordar de um torpor,
havia estacionado bem debaixo de uma grande árovore,
galhos compridos, espessos e copada, chamou-me
a atenção pelo tronco roliço.
A visão era maravilhosa, o céu parecia muito próximo
dando a impressão que se eu desejasse poderia tocar
as nuvens, brincar com elas nas mãos, chutar algumas
apenas para vê-las se moverem nos céus.

Atônita pela beleza da natureza não ousei sair do carro,
meus olhos pregaram no grande tronco da árvore
como se estivessem a recordar.
(Marta Peres)

ARETHUZA VIANA


TEU
É teu, paixão minha,
o que agora escrevo,
com as mesmas mãos
que te tocam mansamente.
É Teu!
Guarda-o contigo
porque eu o fiz
lembrando que és magia...
Que este poema,
desperte o teu sorriso lindo...
Ah! Ninguém sabe sorrir
como você...
Que ele seja conforto
para qualquer tristeza
e que ele te lembre
os meus olhos felizes
brilhando de amor...
Este poema é teu!
Eu o fiz para a tua compreensão
e junto com ele,
meu amado, minha vida,
mando-te beijos,
beijos e mais beijos!!!
É teu!
Eu o fiz apenas
para o teu entender...
Só sinto verdadeiramente,
amor meu,
que nunca, ninguém,
poderá saber
que ele é teu...
Unicamente teu!!!!
(Arethuza Viana)

MARTA PERES


“Quero Você”
Vejo você no pensamento,
o quarto vazio, meu corpo saudoso dói,
delírio do prazer vem na lembrança,
sufoca, queima, arde meu peito.

Sonho contigo, são sonhos profundos
de delírios amorosos, sinto seu cheiro,
gostosa fragrância envolve meu quarto
vazio de amor, sinto-me exitada.

O pecado escondido dentro das paredes
vem a tona, libera gemidos que ouço
quando brotam do meu ser, sinto-me
agitada, quero você!
(Marta Peres)

Jane Rossi


Oleiro
Tu és oleiro, Meu Senhor!
Cuida de mim, me restaura
Do coração, cura esta dor
Me faz sentir a brisa, a aura
De minha alma tira o pavor
Eu quero ter visões, bem calma
Então escuta este meu clamor!
Me fortalece, refaz minh’alma
Me mostra um mundo de outra cor
Me mostra amigos, que sejam flores
Quero compor um lindo ramalhete
Só de alegrias, sem dissabores
Restaura agora, tu és oleiro!
Transforma a vida, tráz paz e amor
E o coração que está em desespero
Troca por outro, sem angústia e sem dor!
(Jane Rossi)
31/03/08

GUSTAVO DRUMMOND


ME FALE DE TI
Me fale de ti,
Me conte as horas,
Desnude a alma,
Dispa o coração.
Chegue logo,
Emborajá esteja ai.
Dance aquela dança,
Que me encanta.
Me conte meus sonhos,
Fale do filme
Que não assistiu.
Prove do sabor dos beijos
Que eu mesmo fiz.
Aromatize, sensualize,
Por crendice, me fale de ti.
Viva este idílio,
Me faça de uma ilha.
Me dê um filho
de vinil.
Cante um canto
gregoriano,
Conte porque sumiu,
Não te vejo faz ano,
Faz amor agora,
Delicie nesta hora,
Provoque toques,
Clame por carícias.
Insinue carinho
....Flui âmbar, mel
e um punhado de sal.
Mesmo que fale de ti.
(Gustavo Drummond)

Paulo Coelho


O amor é uma força selvagem.
Quando tentamos controlá-lo, ele nos destrói.
Quando tentamos aprisioná-lo, ele nos escraviza
Quando tentamos entendê-lo, ele nos deixa perdidos e confusos.
Esta força está na terra para nos dar alegria,
nos aproximar de DEUS e do nosso próximo.
(Paulo Coelho em O Zahir)

Oswaldo Antônio Begiato


DÚVIDAS

Nos cômodos incômodos
de uma casa em ruína
seu acomodo minhas dúvida
sem cômodas infestadas de cupins.
Que fiquem elas lá, guardadas,
como roupas velhas no guarda-roupa
aguardando a hora de serem doadas,
ou a hora de vestirem judas no sábado santo.
Não quero mais ter dúvidas.
Quero a imperturbabilidade das rochas
e a clareza das águas frescas
das cachoeiras da Serra do Japi.
Não dá para imaginar
como são claras e frescas
as águas das cachoeiras da Serra do Japi.
(Oswaldo Antônio Begiato)

Alex Simas


Amor Simplesmente Amor
Patético!? Sim eu sou...
Porque amo pateticamente.
O amor me deixa sem limites
Sem margem, fronteiras para sonhar
M’alma tem sede do divino prazer de amar
Ardo em fogo, queimo no infinito
Como estrela, mesmo depois de morto
A luz desse amor viajará pelas galáxias
Iluminando mundos.
Derramo-me em sangue, seiva e vida
Deságuo minhas lagrimas em palavras
Visto-me de cambraias, me cubro de promessas
Pelo simples prazer de sofrer de amar...
Vagueio por entre abismos de sentimentos
Montando um cavalo de muitas luas
Na bagagem levo-te um presente
Minha humana incompleitude.
Dou-te meu pior e meu melhor......
Porque só no amor sou inteiro.
(AlexSimas)

PAULINO VERGETTI NETO


E por falar de amor...
E para falar de amor, falo de mim
e, sendo assim, abraço-te.
Olhar-me em ti é reflorir
em jardins perfumados
que mesmo habitando o abstrato,
sinto-os com se fosse de carne.
E por falar de amor,
esqueço que há uma dor
que antes me maltratava.
E com amor e por amor a tudo,
ponho-te em meu mundo
e amo-te desembestado
porque melhor do que ficar calado
é oferecer-te as palavras desenhadas
por meu lindo coração apaixonado
só por ti...
(Paulino Vergetti Neto)
Publicado no Recanto das Letras
em 30/03/2008Código do texto: T923021